Tempo de renovo de Deus

Tempo de renovo de DeusO início de um novo ano é o momento em que a maioria faz uma retrospectiva do que se passou e reflete sobre seus principais acontecimentos. Como foram os últimos meses para você, sua família, sua cidade e sua igreja? Chega a hora de projetar o futuro. Contudo, neste momento de balanço pessoal, muitas lembranças e emoções se afloram em um emaranhado nem sempre fácil de se entender.

O calendário foi algo criado pelo homem e ainda que, na verdade, a linha do tempo seja linear, essa interrupção na atividade normal do cotidiano, somada aos acontecimentos da vida e à troca de ciclo, mexe psicologicamente com as pessoas. Algumas, até mesmo crentes, são tomadas por sentimentos supersticiosos, disfarçados por termos do “evangeliquês”. Lista de desejos vira “pedidos de oração”; simpatias; “ato profético”, e assim por diante.

“O novo ano determinará a minha sorte” – como psicóloga, ouço isso diariamente em meu consultório. Aliás, os consultórios ficam cheios nos finais e inícios de anos. Muitas pessoas que, devido à correria do dia-a-dia, acabam não refletindo sobre seus sentimentos e se veem obrigadas a parar devido aos recessos de fim e início do ano e refletem. Os workaholic (viciados em trabalho), por exemplo, param porque são obrigados a parar e então percebem como estão suas vidas. Acredite: a maioria não fica nada satisfeita.

Muita gente chega ao consultório dizendo que quer ser mais feliz e diz depender do marido, da esposa e dos filhos para isso. Quando pergunto ao paciente o que é para ele ser feliz, a grande maioria não sabe dizer. Geralmente, atribuem felicidade a algo ou alguém. O sistema maligno desse mundo criou uma necessidade enorme de TER. Todo mundo que quer ter (até mesmo ter pessoas) e corre-se demais para isso. Estão com dificuldade para SER. Dificuldade para sentir, para perceber e amar a si mesma e a outro. Talvez você também esteja decepcionado com algo que não saiu como desejava em 2015. Algo que não conseguiu possuir ou realizar. Devido às dificuldades, perda de emprego, de pessoas queridas ou ao balanço frustrado de seus projetos não alcançados. Por esses mesmos motivos, muitos se deprimem, outros ficam extremamente ansiosos e acabam por adoecer, somatizando os seus problemas emocionais. Mas, de dezembro para janeiro, tudo isso parece “maquiado” pela frágil pintura da premissa “ano novo, vida nova”. Será que isso se sustenta? Será que negar e deixar sem tratamento os problemas passados, cobertos por ilusões de um mágico futuro melhor, não são a receita perfeita para mais um ano de decepção igual a todos os outros?

Não estou falando de arrastar o passado. Não! Falo de lidar com ele para seguir em frente. Por exemplo: se você pecou, peça perdão e deixe a sua vida de pecado. “Esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim…” (Filipenses 3.13). Não fique preso ao passado. Deus tem, sim, novas coisas para você e para sua família. Mas, primeiro, arrependa-se e liberte-se do seu passado para que possa viver o melhor de Deus na sua vida.

Também não estou dizendo que não devemos ter expectativas e ideias para o ano que se inicia. O errado é a forma como eles serão (ou não) trabalhados. Não podemos esquecer jamais o que está escrito em Provérbios 28.19: “Quem cultiva (trabalha) sua terra sacia-se do pão; quem consegue ilusões se fartará de miséria”.

A diferença entre ilusão e projeto é estabelecer prazo, data e trabalhar com foco naquilo. Por exemplo: “Um dia irei conhecer as cataratas do Iguaçu”. Provavelmente você não irá. Agora troque por: “Em um ano vou conhecer as cataratas do Iguaçu. Estou avaliando os valores das passagens, os hotéis, os custos da viagem, quanto preciso juntar por mês…”. Agora sim! Se Deus quiser, você irá. Em um ano!

O “gênio da lista”

Você conhece alguém que todo final ou início do ano cria listas enormes do que quer que se realize? Quer um trabalho novo; um(a) namorado(a); casar; casa própria; a viagem dos sonhos; ser melhor marido; ser melhor esposa; ser melhor pai; ser melhor mãe; ser mais crente; ir aos cultos; ganhar mais vidas para Jesus… A lista é interminável. E mesmo que seja carregada de boas intenções, muito pouco ou quase nada acaba mudando durante este novo ano de tantas expectativas geradas. Por que? Simples: porque fantasiam muito os frutos, mas trabalham pouco para semeá-los. Iludem-se que se estiverem no culto da virada ou apenas escreverem suas listas, orarem sobre elas e as guardarem dentro da Bíblia, algo milagroso irá acontecer. Mas não vai. Não é assim que funciona.

Muitos lançam esses seus projetos em Deus como se Ele fosse o responsável por fazer tudo da lista se realizar. Como se Deus fosse um “gênio da lâmpada”. Ou melhor, um “gênio da lista”. Na verdade, o Senhor quer que tenhamos confiança nEle, sim, mas que também nos desenvolvamos como seres humanos, como filhos habilitados para toda boa obra. É mão na massa! Existem coisas que Deus não vai fazer simplesmente porque depende de você e não dEle.

É importante não viver nessa fantasia e delírio. É necessário que vivamos na dependência de Deus, sim, mas cabe a nós trabalharmos pela realização de nossos projetos, sabendo que devemos subir um degrau de cada vez. Se você tem um desejo de ser melhor para sua família, se faz necessário que você não só esteja presente durante todo o decorrer do ano.

Por isso, não faça um balanço na sua vida só no final ou início do ano, mas tire um tempo para você avaliar os seus projetos sempre. O que você tem feito por eles? Coloque suas prioridades em pauta. Trace metas semanais, mensais, trimestrais etc. E se trabalhar, mantendo em primeiro lugar o Reino de Deus, a seu tempo dentro da vontade soberana de Deus, você colherá seus frutos.

Jesus tem que ser o maior sentido em sua vida. Confie em Deus. Tenha fé nEle. Em cada projeto ou decisão que você tomar, pense. O que Deus gostaria que eu fizesse? O que Jesus faria em meu lugar? Estou fazendo a Sua vontade? Isso é ter caráter de Cristo. A Palavra de Deus diz: “Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito”. O “Se” depende de nós. O restante é com Deus! Se você está podendo ler este artigo, você já é um vencedor! E que o Senhor nosso Deus te dê um ano com saúde espiritual, emocional e física. Em Cristo, feliz 2016!

Por, Valquiria Salinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *