Missões e sua importância na salvação do ser humano

Missões e sua importância na salvação do ser humanoMissão, como é sabido de todos os que amam a causa da evangelização encomendada pelo Divino Mestre, é a tarefa primacial nas atividades da Igreja militante de Jesus. Esta ocupação do povo de Deus, em todos os tempos da dispensação da Graça, sem qualquer razão para questionamentos, tem sido o fator gerador do avanço do Reino de Deus onde quer que missões haja sido praticada nos moldes neo-testamentários, a saber, sob a égide do Espírito Santo conforme observamos no livro dos Atos dos Apóstolos no capítulo 13 versículos 1 ao 4. Se na verdade queremos que missões exerçam influência no labor evangelístico desenvolvido pela igreja de Cristo, devemos espelhar-nos nos exemplos e modelos exarados no texto acima.

Consideremos que a visão missionária que movia o frutífero trabalho da Igreja nos dias primitivos não resultava de vontades pessoais ou entusiasmos meramente institucional eclesiásticos, mas com toda certeza o comando para realizar missões proveio pelo Espírito Santo: “…disse o Espírito Santo…” (Atos 13.2). Hoje não pode ser diferente. Precisamos do concurso do Espírito de Deus em todas as ações da Igreja do Senhor Jesus e especificamente na atividade missionária que tem como alvo capital conquistar vidas para o Reino de Deus e pela Bíblia sabemos que é o Espírito Santo que convence o ser humano a converter-se a Deus (João 16.8). É sumamente importante olhar a postura da Igreja que vai ser usada pelo Senhor na abertura de frentes missionárias alhures, isso é, em qualquer lugar. Veja o leitor no texto de Atos 13.1 que foi o Espírito Santo quem determinou o ato e revelou a chamada daqueles escolhidos para aquela missão específica. A razão que encontro para vermos o Espírito Santo agindo desde o primeiro momento no trabalho missionário reside no fato de que a igreja seguia às recomendações do Senhor e seus gloriosos exemplos de vida de oração e jejum. Vida de consagração permanente.

Acreditamos que a Igreja nos nossos dias deve seguir as trilhas traçadas por aqueles que com amor obediente se deram ao Salvador Jesus para levarem a mensagem salvífica do Evangelho a todo ser humano, nutrindo o entendimento expresso pelo apóstolo Paulo que declara que é a vontade de Deus que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade (1 Timóteo 2.4). A importância de missões em relação à salvação do ser humano ganha maior significado quando atentamos para o valor de uma alma. A Bíblia nos mostra de forma peremptória, nas palavras do Mestre, que uma alma vale muito mais que os tesouros deste mundo (Mateus 16.26). Ninguém poderá pagar o preço de uma alma e nós os salvos em Cristo sabemos que fomos comprados pelo alto preço do sangue do Cordeiro de Deus (1 Pedro 1.18 e 19). O apóstolo Paulo de modo muito didático e assaz espiritual, preleciona que não poderá haver salvação dos perdidos através da fé em Jesus se não houver quem lhes faça ouvir a mensagem da graça divina, posto que a fé surge por ouvir a Palavra de Deus. Mas continua o apóstolo das gentes indagando: “como ouvirão se não há quem pregue?” (Romanos 10.14). Mais uma pergunta de Paulo: “E como pregarão se não forem enviados?” (Romanos 10.15). Isso fala de missões na vida da Igreja de forma contínua tendo-se em conta que o crescimento da iniquidade é sem precedentes o que, segundo predisse Jesus, o amor de muitos esfriará.

Missões resultam de um aquecido amor com vital determinação em obedecer ao tão conhecido e não praticado IDE de Jesus (Marcos 16.15). É mais que normal sabermos que qualquer coisa só tem importância quando se lhe confere importância. Se pouco ou nada importar para a igreja (local), por sua liderança, ou mesmo para o crente individualmente, que as almas dos homens sejam salvas com toda a certeza o desempenho evangelístico através desses que foram chamados para fazerem a obra de Deus, se tornará nulo ensejando indubitavelmente na perdição de homens e mulheres que perecerão em face da ignorância da vontade e providências de Deus para salvar a todo aquele que em Cristo crer. Urge que todo o povo de Deus, a partir das lideranças, se volte para a importância das almas que vivem ao sabor do pecado o que significará considerar o grande amor de Deus a este mundo por haver dado o Seu Unigênito Filho para redimir o gênero humano envolto em tão densas trevas espirituais. Jamais podemos alegar impossibilidades de caráter espiritual ou material para desculpar-nos dos nossos atos omissos em relação à proclamação da mensagem de salvação em Jesus para o desventurado homem sem Deus.

Não basta dizermos que amamos ao Senhor Jesus e que somos seus discípulos sem fazermos o que Ele nos manda (João 15.14; 13.15). O desperdício de tempo e de valores tanto na ordem material e principalmente espiritual é algo estonteante na administração das coisas divinas. É lastimável vermos prioridades postas em elementos que nem mesmo deveriam ser incluídos nos projetos da igreja de Cristo que lamentavelmente ocupam posição de destaque em detrimento ao mais importante recomendado pelo Mestre e que foi no passado intensamente observado pelos fiéis obreiros da Seara de Deus. “Evangelização global que inclui Missões em plenitude”. Fala-se com muita avidez de promessas de Deus e as atenções parecem estar mais voltadas para as coisas temporais que traduzem interesses meramente humanos totalmente vazios de conteúdo espiritual no que aos desígnios de Deus se refere. O que compreende os desideratos supremos de Deus é transposto para o segundo ou nenhum plano. Entretanto muitos que têm tal comportamento se esquecem das benditas palavras do Senhor Jesus, quando disse: “Mas buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas as coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6.33). Que Deus tem bênçãos para os seus filhos é certo, mas é igualmente certo que Ele espera que sejamos seus imitadores como filhos amados (Efésios 5.1). Imitá-Lo é sentir o genuíno amor pelos que carecem do seu perdão para serem salvos na pessoa do Senhor Jesus. “Bem aventurados aqueles que quando o Senhor vier achá-los fazendo assim” (Mateus 24.46).

Com muita frequência vemos surgir movimentos que se dizem salvacionistas. Uns se revelam soluções para os problemas sociais da humanidade, outros se apresentam como sendo a palavra final e definitiva de resposta aos clamores dos aflitos e necessitados em qualquer segmento da vida do ser humano. O aparecimento de organizações eclesiásticas se repete diuturnamente de tal maneira que o pobre ser humano, desprovido do conhecimento das verdades do Evangelho, fica confuso sem encontrar alternativa que o leve à posição desejada e ideal. Cabe à Santa Igreja do Senhor Jesus rever com acuidade as legitimas prioridades estabelecidas pelo Senhor da Seara. Outro entendimento que precisa ser revisto é que Deus não conta com organizações meramente humanas para o cumprimento dos seus propósitos em relação à humanidade no que à sua salvação se refere.

A Igreja é o único instrumento criado e comissionado por Cristo para tão nobre tarefa! “Proclamar a salvação na pessoa maravilhosa de Jesus!” Devemos considerar que a igreja não apenas é detentora de promessas e direitos, mas também de obrigações em face do Reino de Deus! Não vale ter ouvidos de mercador diante dos clamores do mundo sem Deus, fadado à perdição inarredável, fugindo do sagrado dever de avisar ao pecador que a destruição virá repentina e inexoravelmente (1 Tessalonicenses 5.3). É da igreja redimida pelo sangue do Cordeiro de Deus, batizada no Espírito Santo e dotada com dons espirituais e ministeriais, o inadiável dever de anunciar as boas novas de salvação aos homens e com relação a essa obrigação vêm-me à memória as palavras do abençoado líder moçambicano Dino Amado, quando disse que missões se deve fazê-las, “AGORA, COM PRESSA E COM TODA A FORÇA”.

O inimigo de Deus e dos homens trabalha com esforços sem precedentes e sem permitir qualquer trégua com o fito de impedir que a Igreja (nós) cumpra cabalmente o que o Senhor lhe atribuiu em tudo que representa a sua vontade de salvar o pobre pecador. Missões como canal traçado por Deus para que a igreja leve aos homens o conhecimento do imensurável amor que foi revelado na pessoa de Jesus Cristo em relação a todo ser humano, se constituem urgência que não pode ser subestimada por nenhum de nós que pela Graça já somos salvos. Prudentemente devemos entender que não é inteligente deixarmos no plano secundário aquilo que para Deus é prioritário. Não raro, se promete a Deus obedecê-lo e fazer toda a Sua vontade, mas logo se deixa vencer por fatores desprezíveis descumprindo o que de mais importante se reputa no conjunto dos nossos sagrados deveres. Não importando qual a posição que o distinto leitor ocupa no corpo de Cristo, IGREJA; no Senhor chamo a sua atenção para o que estamos aqui considerando, por entendermos ser matéria de estudo constante e de aplicação imediata e ininterrupta na vida de quem fielmente quer cumprir seus deveres para com Deus. O tema requerido para nestas linhas esboçarmos, é assaz importante e conscientemente não fica plenamente aqui explicado contudo julgamos ser importante que todos nós a tenhamos ao que nestas notas colocamos com a mais sustentável certeza de que se observarmos o que Deus nos confere em sua obra, estamos tratando de assunto de grande relevância para o Reino de Deus e glória para o eterno nome de Jesus. Que o bom e poderoso Deus, por seu Santo Espírito nos conduza a todo entendimento da sua soberana vontade.

Por, Temóteo Ramos de Oliveira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *