O abuso sexual e sua prevenção

O abuso sexual e sua prevençãoAntigamente não existia isso! Você já ouviu essa frase? Abuso sexual sempre existiu, mas o assunto, que ainda é tabu, já foi ainda mais proibido nas escolas, em casa e até nas igrejas. Ninguém denunciava ou não se ficava sabendo.

Caracteriza-se como Abuso Sexual (violência), qualquer tipo de conduta sexual de um adulto, hetero ou homossexual, com uma criança ou um adolescente, menina ou menino, como forma de sentir prazer sexual. O abuso sexual não está restrito ao ato sexual em si, mas a qualquer tipo de aliciamento da criança, como beijos forçados, carícias libidinosas, mostrar os genitais, incitar a ver filmes, revistas ou sites pornográficos, por exemplo.

As características nos mostram que Abuso Sexual é descoberto em TODAS as classes sócio-econômicas ou credos religiosos, sem exceção. O importante é compreender que a criança ou o adolescente não estão preparados para este tipo de violência, por mais degradado que seja o ambiente onde vivem e, cem por cento deles sofrerão consequências psicológicas graves, que podem se tornar castradoras e devastadoras.

Pessoas próximas da criança não são, necessariamente, agressoras. Porém, os agressores são, quase sempre, pessoas bastante próximas e de confiança como pais, padrasto, irmão, tio, tia, amigo, vizinho ou alguém de confiança da família. Pessoas que tratam muito bem a crianças e possuem hábitos de passear e presentear a vítima. Após o abuso ameaçam a criança dizendo que matarão alguém importante como pais, irmãos e a própria criança, o que faz com que muitas vítimas, pelo medo ou vergonha, não contem e se mantenham vítimas por anos a fio.

Indiferenças e Alterações

Estudos revelam que dentre as vítimas de abuso, um grande número tenta contar para alguém de confiança da família, que não o agressor, e acabam não sendo ouvidas, ou não são levadas a sério, e diversas vítimas ainda são tidas como mentirosas ou “sem vergonha”. A dor, a culpa e o sofrimento só aumentam, e passam a se sentir ainda mais desprotegidas.

A vítimas de abuso sexual normalmente tornam-se pessoas inseguras, depressivas, com dificuldade na área da sexualidade e nos relacionamentos, tem baixa auto-estima, passam a sofrer com fobias (medos incontroláveis de elevador, altura, escuro), síndrome do pânico e algumas vítimas desenvolvem tendências suicidas.

Quando crianças, as vítimas abusadas poderão mostrar alterações abruptas de comportamento, interesse excessivo de natureza sexual ou evitar em demasia o assunto, problemas como sono (insônia, pesadelos), depressão, isolamento de amigos e da família, sentir-se suja ou contaminada, aumento repentino de agressividade, faltas recorrentes à escola, dificuldade de aprendizagem, medo (de algumas pessoas, lugares, escuro, de dormir no quarto, de ficar sozinha), mudanças de hábitos intestinais ou urinários como: excesso de urina, às vezes não conseguindo segurar, infecções, ou intestino muito preso ou muito solto, rebeldia extrema, mudança súbita de comportamento quando alguém tenta perguntar sobre algum assunto que inclua o acontecido ou sobre algo diferente em sua genitália, a vítima da respostas ilógicas e apresenta comportamentos suicidas.

O papel dos pais

É fundamental dizer que os pais devem manter bom relacionamento afetivo e de confiança com os filhos, a fim de que eles possam se sentir amados e seguros no lar. A qualquer tipo de mudança, física ou emocional, pais presentes devem estar atentos e imediatamente perguntar aos filhos o que está acontecendo. Desde de bem pequeno, os pais devem ensinar a se protegerem e falar não, se alguém tentar tocar em algum lugar de seu corpo que ele não queira. Ensiná-los a contar tudo para o papai e para a mamãe. Orientar as crianças a não aceitarem dinheiros, doces ou presentes de estranhos. Onde a criança está? Com quem? Fazendo o quê? Parabenize seu filho sempre que ele vier lhe contar algo, e diga que isso é correto, assim você terá mais controle. Preste e dê atenção sempre que seu filho for lhe dizer algo.

Algumas crianças ou adolescentes sofrem, pois acreditam ter feito algo errado, isso porque o nosso corpo é composto por zonas erógenas, que ao serem tocadas podem proporcionar prazer. Algumas crianças ou adolescentes, como ainda não possuem estrutura psíquica plenamente formada, acabam desenvolvendo uma personalidade cindida, ou seja, “dividida ao meio”, onde uma parte da personalidade fica infantil ou infantilizada, com os medos e sentimentos da idade do abuso, e outra parte acaba amadurecendo, muito cedo tornando-se adulta antes do tempo, isso porque sexo é, na verdade, atividade para a vida adulta. São escapes traumáticos para tentar suportar e não enlouquecer.

Volto a frisar, se um amigo trata bem o seu filho, isso não significa que ele é um potencial agressor. Longe disso! Atendi casos de casais separados, em que uma das partes tentava culpar a outra por abuso sexual, e queria um laudo meu para anexar ao processo. Ao fazer um psicodiagnóstico passei a atender a criança e observei que a mãe fantasiava a esse respeito. Nenhuma vítima de abuso sexual, criança, adolescente ou adulto é culpada pelo que lhe aconteceu, por mais que tenha obedecido e ido até onde o agressor queria. A culpa é do agressor, que tem consciência do que está fazendo, tem uma personalidade já formada e possui uma mente perversa.

O que fazer

Se você souber, não por leviandade, mas com certeza que alguma criança ou adolescente está sendo vítima, faça a sua parte e denuncie no telefone 100. Esse telefone funciona para todo o Brasil. Se o caso acontece entre pessoas da igreja, conte para o teu pastor, afim de que ele possa ajudar. É importante que todos, principalmente pastores e líderes, possam ouvir e ajudar as vítimas de abusos para que elas possam falar de seus sentimentos, como a raiva e o ódio, a culpa ou a vergonha, e entender que são sentimentos comuns às vítimas de abuso ou a quem teve um filho abusado.

Do ponto de vista psicológico, jamais force a vítima a perdoar o agressor de imediato (como quem quer se livrar do problema), pois o perdão é um processo, e só será possível quando a vítima estiver pronta a isto. Perdoar não significa concordar com o erro. Nesse primeiro momento a vítima necessita de pessoas capazes do SIGILO, e compadecidas com a sua dor e seu sofrimento. As vítimas, quando não tratadas, infelizmente tornam-se, em alguns casos potenciais futuros agressores. Procure ajuda de um psicólogo de confiança, de preferência um profissional que tenha uma filosofia de vida compatível com a sua, se teu passado ainda te atormenta.

Acredite. Deus não molesta ninguém. Pelo contrário, Ele é Amor, jamais irá te abandonar e não te decepcionará. Acolhe e enxuga tuas lágrimas. Peça a Deus que você possa ter paz e alegria, acredite na cura divina, na limpeza e paz que somente Jesus Cristo pode dar. Medite em Hebreus 12.15; Efésios 4.32; Filipenses 4.8. Deixe o passado, liberte-se dele, e você será muito mais abençoado. Pense em uma nova vida cheia de vitórias.

Por, Valquíria Andréia Salinas Goulart.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *