Inaugurado hospital da Assembleia de Deus no Pará

Convenção paraense investe em assistência física e espiritual de vidas

Inaugurado hospital da Assembleia de Deus no ParáNo dia 8 de maio a Convenção Estadual das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Estado do Pará (Comieadepa), liderada pelo pastor Gilberto Marques, em parceria com o governo do Pará, inaugurou um moderno hospital no Estado. Localizado em um ponto estratégico do município de Ananindeua (PA), na Rodovia Mario Covas, entre as Avenidas Independência e Almirante Barroso, o Hospital Galileu, é composto de oito blocos grandes, dois centros cirúrgicos, amplo estacionamento, 120 leitos confortáveis, uma clínica com dois gabinetes odontológicos, laboratório e quatro consultórios médicos.

A inauguração contou com a presença dos pastores José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB); Nelson Luchtenberg, presidente da Convenção Estadual dos Ministros das Assembleias de Deus no Estado de Rondônia (Cemaderon); e Lucifrancis Barbosa, presidente da Convenção Estadual dos Ministros das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Estado do Amapá (Cemeadap); do governador do Estado do Pará, Dr. Simão Jatene; do prefeito da cidade de Ananindeua, Dr. Manoel Pioneiro; de parlamentares da Diretoria da Comieadepa, de vários obreiros convencionais e de inúmeros membros das igrejas filiadas, bem como do conjunto coral da Assembleia de Deus.

Antes da inauguração oficial, funcionava nas instalações do Galileu a parte ambulatorial com médicos em várias especialidades, além do serviço de odontologia com duas profissionais da área, raio-x e ultrassom, com atendimento diário em caráter beneficente. Para a construção do prédio, a igreja contou com o repasse de algumas emendas parlamentares, principalmente dos deputados estaduais e do deputado federal ligados à Convenção paraense; além da ajuda de prefeitos, governo estadual e do povo evangélico do Estado.

Segundo pastor Gilberto Marques, o que os motivou à construção do Galileu foi a convivência de décadas com o povo menos assistido por políticas públicas na região. O drama da população carente do Estado, principalmente dos ribeirinhos que enfrentam picadas de cobras, malária, escalpelamento; além da exploração sexual sofrida por jovens e adolescentes, e trabalho escravo, levaram a Comieadepa à decisão de construir o hospital. “Fomos movidos por Deus a compartilhar com nossos conterrâneos o que o nosso coração nos impulsionou a fazer. Assim, decidimos construir um hospital que atendesse nosso povo, e optamos por denominá-lo de Hospital Galileu, por ter ciência que o Eterno Salvador Jesus era chamado de Galileu e, por conseguinte nosso hospital também poderia contribuir para a salvação de vidas físicas e também contribuir para salvar almas para o reino de Deus”, comenta o líder. “O ponto alto do ato inaugural foi o conceito que a sociedade paraense passou a ter da igreja que se preocupa com o bem estar dos nossos semelhantes, chegamos até a adorar o slogan de nossa Associação Amazônica Evangélica (AAME), que é o seguinte: AAME, cuidando do corpo e da alma”, arremata.

O Galileu funciona hoje com uma parceria entre a Comieadepa e o governo do Estado, que alugou as instalações do hospital para atendimento público. Com o valor recebido a Convenção paraense tem investido na compra de novos  equipamentos e ampliação dos serviços. Atualmente a Comieadepa está investindo na construção de um prédio de quatro andares para atender jovens e adolescentes em situação de risco. O recurso tem servido para dar suporte aos que procuram a igreja à procura de fazer cirurgias, adquirir medicamentos, cestas básicas; e atendimento em diversas aldeias indígenas. Outro investimento da igreja é a ampliação de uma escola musical para atender, preferencialmente, jovens e adolescentes em situação de risco, com direito a participar de bande de música, fanfarra, além de receberem aulas de artes marciais com mestres tementes a Deus.

“A importância da Igreja ter um hospital é grande, pois vivemos em um meio carente, onde a classe mais desprovida não possui plano de saúde e a demanda nos hospitais públicos ou particulares é muito grande e ao oferecermos nossa parcela de contribuição ficamos com a consciência aliviada de não ficarmos alheios as necessidades primárias dos que nos cercam”, justifica pastor Gilberto Marques.

Contexto geográfico da região

O Estado do Pará é de grande extensão territorial. Compreendendo as regiões da transamazônica que não se consegue percorrer em menos de dois a três dias, por via terrestre (carro). Cuiabá-Santarém, o trajeto de Santarém a divisa do Estado com o Mato Grosso, é de igual modo muito longo. A região do baixo Amazonas e Rio Tapajós é um paraíso a parte, com belezas naturais indescritíveis e biodiversidade invejável. O Arquipélago de Marajó é um mundo à parte, em belezas naturais, ilhas, ilhas e mais ilhas. O Sul do Pará é a região do Estado mais privilegiada em riquezas minerais, produtora de ferro, níquel, ouro, cobre, etc. Terra fértil, pecuária em grande destaque, etc.

A zona bragantina é o lugar onde o cenário pentecostal teve o ponto de apoio há mais de cem anos. Acompanhando a história do povo assembleiano é possível destacar muitos acontecimentos na região, inclusive dos primeiros frutos gerados pelos missionários suecos, Daniel Berg e Gunnar Vingren, no Brasil.

Por, Mensageiro da Paz.

Uma resposta para Inaugurado hospital da Assembleia de Deus no Pará

  1. Eliel disse:

    Lamento essa mistura de Igreja e políticos. Que Deus nos proteja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *