Mas o Paraíso não é junto ao Pai?

Por que Jesus disse a Maria que não tinha subido ao Pai, se ao ladrão da cruz prometeu que ainda aquele dia estaria com Ele no Paraíso?

Mas o Paraíso não é junto ao PaiNão há nenhuma contradição entre as palavras de Jesus ditas ao ladrão recém-convertido na cruz (“Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso”, Lucas 22.43) e Suas palavras à Maria Madalena após Sua ressurreição: “Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai” (João 20.17).

Jesus ao morrer na cruz do Calvário, recebeu do Pai todo poder e autoridade no céu, na terra e debaixo da terra (Mateus 28.18; Filipenses 2.9-11).

Paulo descreve da seguinte forma o que Jesus fez no período em que Seu corpo esteve na sepultura: “ora, isto – ele subiu – que é, senão que também, antes, tinha descido as partes mais baixas da terra?” (Efésios 4.9). O próprio Senhor Jesus disse: “… E tenho as chaves da morte e do inferno (Apocalipse 1.18).

Em algum momento, entre Sua morte e ressurreição, Jesus desceu até o Hades – palavra grega no Novo Testamento que corresponde ao Seol do Antigo Testamento e corretamente traduzida por “Inferno”. Ainda que pareça surpreendente para alguns, o Hades, até o tempo da ressurreição de Jesus, abrigava o Inferno e o Paraíso ao mesmo tempo. Jesus nos ensinou essa verdade em Lucas 16.22, 23, 26: “E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico e foi sepultado, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão e Lázaro, no seu seio. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quiserem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá”. Vemos claramente neste ensino de Jesus que o “seio de Abraão” – ou que Jesus e muitos judeus de sua época descreviam como “Paraíso” – encontrava-se nas “regiões mais baixas da terra” e que havia apenas um grande abismo que os separava. Enquanto em um lado – Inferno – havia “tormento e chamas” para o rico (Lucas 16.24), no outro lado havia consolo e descanso para Lázaro (Lucas 16.23, 25).

Por outro lado, temos a revelação de Paulo sobre o Paraíso: “Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos […], foi arrebatado até o terceiro céu. E sei que o tal homem […] foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, de que ao homem não é lícito falar” (2 Coríntios 12.2-4). Paulo fala do paraíso como um sinônimo do terceiro céu – um lugar acima do céu visível e do céu estrelar. Isso aponta claramente para uma mudança que Cristo efetuou no Hades, transportando o “seio de Abraão” ou “Paraíso” para os céus. “Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro” (Efésios 4.8).

Essa mudança do Paraíso não deveria nos causar tanta surpresa, pois o próprio Hades, também será mudado, quando o Senhor o lançar juntamente com Satanás, o Falso Profeta, a Besta e todos cujos nomes não forem achados no Livro da Vida, no Lago de Fogo, onde sofrerão tormento eterno (Apocalipse 19.19-20; 20.10, 14-15).

Considerando os textos bíblicos já mencionados, podemos afirmar que Jesus disse corretamente ao ladrão arrependido ao seu lado: “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso” , e que também disse a verdade a Maria Madalena, de que ainda não havia subido ao Pai, pois o “seio de Abraão” ou “Paraíso” onde Ele havia estado com o ladrão arrependido, não se encontrava acima no terceiro céu, mas em baixo, separado do Inferno, apenas por um abismo. Após Sua ressurreição, como vimos,, houve uma mudança, e o Paraíso foi transferido do Hades para o terceiro céu.

Por, Sérgio Bastian.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *