33 cristãos mortos na Coreia do Norte

Conheça o mapa atualizado da perseguição aos cristãos no mundo

33 cristãos mortos na Coreia do NorteSegundo um dos jornais mais respeitados da Coreia do Sul, o The Chosul Ilbo, o líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong Um, ordenou a execução de 33 pessoas por terem se convertido ao cristianismo e por receber ajuda de um missionário batista da Coreia do Sul para abrir 500 igrejas subterrâneas.

Segundo o jornal, os 33 convertidos foram executados em uma célula secreta do Departamento de Segurança do Estado sob as acusações de tentar derrubar o regime da Coreia do Norte estabelecendo igrejas subterrâneas. O missionário sul coreano Kim Jung Wook também foi preso por tentar plantar igrejas no país no ano passado. O que chama a atenção é que casos de conversão estavam ultimamente dando apenas cadeia ou anos de trabalho forçado em campos de concentração, onde os presos morrem lentamente. Porém, especialistas afirmam que Kim Jong Um resolveu promover execuções como uma forma de  “dar exemplo”, para que os cidadãos se mantenham longe das crenças e práticas “dos capitalistas” e, assim, fortalecer a doutrina da autossuficiência do país.

Alguns dos presos relataram terem sido informados de que o governo teme que seja aberta uma igreja em Pyongyang, perto de onde está a estátua de Kim Il Sung, considerado o “fundador da nação”; e que a prisão do missionário objetiva descobrir a localização das igrejas subterrâneas no país.

Todos os dias, milhares de cristãos morrem no mundo a fora por causa da fé em Jesus. Nos países onde a perseguição é mais intensa, o simples fato de portar uma Bíblia já é motivo para uma pessoa ser condenada à morte. Todos os anos, a agência Portas Abertas divulga uma lista com o nome dos países com maior intensidade de perseguição. Para chegar ao resultado da classificação da Perseguição Religiosa, ela procura identificar por meio de questionário a situação legal dos cristãos no país, a atitude do regime político em relação à comunidade cristã, a liberdade da igreja para organizar eventos etc. Esses dados são coletados entre representantes de igrejas locais, especialistas em várias áreas de conhecimento, agências e organizações não governamentais internacionais, além de viajantes convidados a colaborar com suas impressões sob a situação do país.

Em relação à lista publicada em 2013, a de 2014 trás as seguintes mudanças: os países República Centro-Africana (16º), Sirilanka (29º) e Bangladesh (48º) passaram a compor a lista, substituindo Azerbaijão (38º), Uganda (47º) e Quirquistão (49º), que saíram. Dos dez mais, ficou de fora o Mali, que era o 7º e entrou a Síria em 3º lugar.

Em alguns países, a perseguição é concentrada apenas em regiões, mas em país como a Coreia do Norte, ela ocorre em todo o país. Nas Américas, a Colômbia é o único país presente na lista, ocupando a 25ª posição. Na África e Ásia, estão os lugares mais difíceis para os cristãos.

Os 10 mais perseguidores são:

1º – Coreia do Norte – Estima-se que 50 a 70 mil cristãos vivem em campos de trabalho forçado.

2º – Somália – Se um cristão ex-muçulmano for descoberto na Somália, pode ser condenado à execução imediata.

3º – Síria – Devido à guerra civil, onde os revoltosos contra Assad são mais radicais contra os cristãos do que o próprio governo, cidades que eram de minoria cristã se tornaram cidades fantasma.

4º – Iraque – Muitos cristãos fogem do país devido ao aumento da perseguição por parte dos radicais. Situação só ´[e mais estável no norte.

5º – Afeganistão –O cristão é considerado “inimigo do Estado”.

6º – Arábia Saudita – No país, todos os bebês recém-nascidos são considerados muçulmanos.

7º – Maldivas – A Constituição determina que todo cidadão deve ser muçulmano para ter direito de viver no país.

8º – Paquistão – Todos os anos, mais de 700 cristãs são sequestradas e forçadas a se converter ao ao Islã.

9º – Irã – O governo já fechou algumas igrejas, monitora reuniões cristãs e prende novos convertidos.

10º – Iêmen – O cidadão que deixa o Islã enfrenta pena de morte.

Mapa da Perseguição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Google Translate »